Título: Em algum lugar nas estrelas
Autora: 
Clare Vanderpool
Ano: 2016 / Páginas: 288

Editora: DarkSide Books
Skoob: Adicione
Compre: Amazon | Americanas | Saraiva | Submarino

SINOPSE: EM ALGUM LUGAR NAS ESTRELAS é um romance intenso sobre a difícil arte de crescer em um mundo que nem sempre parece satisfeito com a nossa presença. Pelo menos é desse jeito que as coisas têm acontecido para Jack Baker. A Segunda Guerra Mundial estava no fim, mas ele não tinha motivos para comemorar. Sua mãe morreu e seu pai… bem, seu pai nunca demonstrou se preocupar muito com o filho. Jack é então levado para um internato no Maine (o mesmo estado onde vivem Stephen King e boa parte de seus personagens). O colégio militar, o oceano que ele nunca tinha visto, a indiferença dos outros alunos: tudo aquilo faz Jack se sentir pequeno. Até ele conhecer o enigmático Early Auden.Early, um nome que poderia ser traduzido como precoce, é uma descrição muito adequada para um prodígio como ele, que decifra casas decimais do número Pi como se lesse uma odisseia. Mas, por trás de sua genialidade, há uma enorme dificuldade de se relacionar com o mundo e de lidar com seus sentimentos e com as pessoas ao seu redor.Obsessivo, Early Auden tem regras específicas sobre que músicas deve ouvir em cada dia da semana: Louis Armstrong às segundas; Sinatra às quartas; Glenn Miller às sextas; Mozart aos domingos e Billie Holiday sempre que estiver chovendo. Seu comportamento é um dos muitos indícios da síndrome de Asperger, uma forma branda de autismo que só seria descoberta muito tempo depois da Segunda Guerra, e que inspirou personagens já clássicos como o Sr. Spock (Star Trek), o Dr. House e Sheldon Cooper (The Big Bang Theory).Quando chegam as festas de fim de ano, a escola fica vazia. Todos os alunos voltam paracasa, para celebrar com suas famílias. Todos, menos Jack e Early. Os dois aproveitam a solidão involuntária e partem em uma jornada ao encontro do lendário Urso Apalache. Nessa grande aventura, vão encontrar piratas, seres fantásticos e até, quem sabe, uma maneira de trazer os mortos de volta ainda que talvez do que Jack mais precise seja aprender a deixá-los em paz.

Essa história maravilhosa se passa no Maine, logo depois da Segunda Guerra Mundial, onde nosso protagonista, Jack Baker possui apenas treze anos e sofre com a perda recente de sua mãe. Passa a viver apenas com o pai, um veterano de guerra. Após o luto, Jack foi enviado para um colégio interno de garotos. Percebemos o quanto ele precisa que o pai queira passar mais tempo com ele. Ele se espelha em seu genitor, é normal querer atenção, carinho, até mesmo palavras de conforto principalmente nessa idade, onde estamos formando nosso caráter.

Olhamos para as estrelas com admiração e fascínio, mas o fascínio não é consequência só da veneração. É fruto também de uma pergunta: Por quê?

Apesar de estar revoltado com o pai, que fica cada vez mais ausente, Jack tenta se enturmar na nova escola. Ele acaba conhecendo Early Auden, um garoto um tanto diferente dos demais colegas. Early quase não frequenta as aulas, pois fica muito ocupado no porão – seu dormitório – ouvindo discos, colecionando recortes do urso apalache e lendo histórias no número pi.Exatamente isso que você leu. Early enxerga o número pi (que possui infinitos caracteres) como uma história.

Louis Armstrong nas segundas, Frank Sinatra nas quartas. E Glenn Miller nas sextas, a não ser que chova. Quando chove, é sempre Billie Holiday

Em um belo dia, em sala de aula, os garotos ficam sabendo que um matemático descobriu que o número pi tem um fim, que ele não é infinito. Early se revolta com essa ideia, não cogita o fim do pi de jeito nenhum. Curioso e fascinado com a convicção do amigo, Jack começa a conversar com ele, que vai lhe contando uma história (lendo-as nos caracteres e equações do número).

Em um feriado da escola, Jack e Early decidem sair em busca de pi, já que Early quer ter a certeza de que pi ainda existe. Pois se pi ainda existir, significa que seu irmão mais velho (soldado de guerra) ainda está vivo. E ele se recusa a aceitar a morte do irmão, porque o enxerga como um herói.

Jack embarca nessa aventura e os dois se metem em várias confusões! Correm perigos na floresta e várias coisas vão acontecendo, quando Jack vai percebendo que a história que Early conta é bem semelhante com o que eles estão vivendo.

Ele precisava que o números continuassem, que a história continuasse, e precisava de Pi vivo. Porque na sua cabeça estranha, revirada e fascinante, se Pi estivesse morto, Fisher também estaria. Eu sabia que não fazia sentido algum. Sabia que era loucura, mas como discutir com Early? Queria ter também alguma história maluca para me fazer pensar que minha mãe ainda estava viva e que um dia ela voltaria. Mas meu cérebro não funcionava desse jeito.

Mergulhei de cabeça neste YA (young adult), que conseguiu me prender em todas as suas 288 páginas. Possui uma narrativa fluída, de fácil entendimento e é muito tocante! É possível fazer muitas reflexões ao longo do livro. A edição está impecável, a Darkside caprichou muito! Capa, diagramação, marcador de cetim, o disco do Early, os mapas e as ilustrações estão excelentes!

Aquelas estrelas lá em cima são atraídas umas pelas outras de muitas maneiras diferentes. Conectam-se de formas inesperadas, como as pessoas.

Em algum lugar nas estrelas é diferente de tudo que já li! É uma bela história sobre luto, superação, amizade e fé. Contém uma boa dose de drama, uma pitada de humor, várias aventuras e você acabará se apaixonando pelos personagens. Terminei o livro com uma sensação muito gostosa! Valeu muito a pena!

Recomendado para todas as idades!

Ligar os pontos. Minha mãe dizia que olhar as estrelas tinha a ver com isso. Lá em cima é como aqui embaixo, Jackie. Você precisa procurar as coisas que nos conectam. Encontrar os jeitos com que nossos caminhos se cruzam, nossas vidas se interceptam e nossos corações se encontram.

AVALIAÇÃO: 5/5 + FAVORITO