Título: Doce Vampira (#1 da Trilogia das Plumas)
Autora: Ju Lund
Ano: 2016 / Páginas: 360
Editora: Verus
Skoob: Adicione
Adquira o seu: 

 

Neste mundo aqui, os vampiros e os humanos convivem muito bem. Há muito tempo, o governo decidiu que seria melhor aceitar a raça do que exterminá-la. Existe uma lei que os protege, que resguarda seus direitos vampíricos. Apesar disso, os humanos ainda têm muito preconceito, dizem que aceitam, mas é só nas aparências.

OBS: Os vampiros aqui são diferentes, não tem como comparar com nenhum outro filme/livro, temos apenas que esquecer essas outras obras e focar aqui, pois são vampiros únicos.

Eduarda acaba mudar para uma escola privada e não tem facilidade para fazer amigos. Fica muito só e acha que terá que fazer o trabalho de dupla sozinha também, quando Esther – uma moça vampira com uma beleza muito estonteante – aparece e lhe convida para ser seu par. A partir de então, elas iniciam uma amizade, que vai se fortalecendo muito. Conforme o tempo vai passando, elas conseguem se conectar de uma forma única, não desgrudam uma da outra. Até quando Duda percebe que seus sentimentos vão além da amizade, então, se declara e descobre que é correspondida. Esther e Duda começam a namorar e notam que estão mais felizes do que nunca, que estar nos braços uma da outra foi o que sempre quiseram.

“O preconceito machuca as pessoas e, muitas vezes, deixa cicatrizes que jamais são curadas.”

 

Os pais de Duda não aceitam a situação, acham um absurdo um relacionamento com uma vampira, então pedem a expulsão de Esther (com justificativa de ser maior de idade) e fazem questão de levar a filha em um médico, pois acham que podem consertá-la. No meio de muitas consultas médicas e remédios, Duda decide que precisa fugir com sua amada. Elas se organizam e conseguem levar Duda para morar na casa dos pais de Esther.

“Viver tem suas dores, como no amor, você vive ou sofre por ele.”

Duda está certa de que é isso que quer para sua vida, até começar a conhecer a casa da família e Louise (mãe e criadora de Esther). Descobre não se sentir confortável lá, acha tudo muito impessoal, e seu medo surge quando o assunto ‘transformação’ é abordado por Louise. Duda entra em pânico ao pensar nisso, pois não havia cogitado essa possibilidade, queria apenas ficar com Esther. É seguro mesmo ficar ali? As pessoas estão certas de não se relacionarem com os vampiros? O que deve escolher? A razão ou o coração?

 

Duda sente que nunca teve seu lugar no mundo, até encontrar Esther. Sempre se sentiu deslocada. É inteligente, mas também, bem impulsiva, o que faz dela um pouco boba as vezes. Acontecem coisas que ela poderia ter evitado, mas não pensar direito ocasionou isso. No entanto, se joga no amor, sem medo ou discrimnação por ser uma raça diferente, pois enxerga todos como iguais.

Esther é mais velha do que aparenta (claro, por ser vampira), sendo assim, muito mais madura. É uma garota elegante, descrita com uma beleza incrível, super culta e segue completamente as tradições da família. Achei ela até perfeita demais hahaha isso me incomodou um pouco. Porém, Esther conseguiu me cativar, pois sua personalidade é doce e gentil. O mistério que envolve sua família acaba te prendendo, pois ela foi bem indiferente com as perguntas que Duda fazia a respeito de tudo, fiquei curiosa querendo entender o que estava rolando ali.

 

 

Quando parece que a autora vai abordar apenas isso (vulgo, a relação das duas e o medo da humana), ela começa a seguir outros caminhos, nos apresentando uma organização religiosa, outros personagens, ela acelera o ritmo da história e você fica tenso, porque percebe que as coisas estão dando tudo errado para as protagonistas. O final é o que te deixa bravo e com vontade de continuar, porque acaba de um jeito perturbador e que não deveria ter um fim ali, fiquei tipo: WHAT?? Ja quero a continuação!

A escrita da autora é muito fácil e envolvente. Ela descreve tudo de forma suficiente para conseguirmos imaginar a cena. O romance me convenceu, achei fofo demais, torci bastante pelas duas. Achei que a Duda foi bem construída, mas a Esther foi deixada um pouco de lado, poderia ter sido mais desenvolvida, (poderia ter defeitos também) queria saber mais dela. Mas tudo bem, porque tem uma continuação.. Gostei bastante das cenas de ação, conseguiram me prender.

A capa é muito bonita, a diagramação super bem feita, todo início de capítulo tem uma reprodução da capa em preto e branco, que eu adorei. Ao fim do livro, encontramos um mural de fotos, onde tem uma sessão com fotos tiradas especialmente para o livro. (o que achei bem legal)

No mais, super indico caso você curta histórias sobrenaturais ou romance lgbt.

AVALIAÇÃO: 4/5 + FAVORITO