Autora: Marie Rutkoski
Ano: 2016 / Páginas: 328
Editora: Plataforma21
S
koob: Adicione
Adquira o seu: Saraiva | Americanas | Submarino | Amazon

Primeiro, vamos explicar a “maldição do vencedor”: em leilões, quem dá o lance mais alto, leva o produto. Quem não ganhou, ou achava que não valia a pena por aquele valor, ou não tinha dinheiro. Resumindo, quem compra em leilão pode acabar pagando mais caro por um produto, sofrendo a maldição do vencedor.

“A maldição do vencedor é quando você vence as ofertas, mas só pagando um preço exorbitante”

Bem, agora vamos a história do livro. Há muito tempo, houve a Guerra de Herran, onde os valorianos ganharam e tomaram as propriedades dos herranis como suas. Valorianos são pertencentes a uma classe considerada superior, são estrategistas e guerreiros; e os Herranis, adoram vários deuses, música, arte e não entendem nada sobre guerras, por isso perderam e se tornaram escravos.

– Me conte sobre a Guerra de Herran. 
– Os herranis se consideravam intocáveis – ele continuou. – Eles estavam quase
certos. Tinham dominado o mar… Existem muitos motivos por que vencemos – seu pai disse – e eu vou ensiná-los a você. Mas o motivo mais básico é simples. Eles eram fracos. Nós não.

Nossa protagonista é Kestrel, filha do general Trajan, o braço direito do Imperador. Por conta de sua descendência, o peso sob suas costas é maior, todos pensam que ela possui as mesmas habilidades do pai e que irá seguir seu caminho.

Para os valorianos, quando as pessoas completam vinte anos, são obrigadas a decidir: ou optam pelo matrimônio ou se alistam como soldados. Kestrel não concorda com isso, pois não quer escolher nenhuma das duas opções. Ela é apaixonada por música e ama tocar piano e se pudesse escolheria tocar sempre. Porém, esse não é um comportamento adequado para valorianos e, por isso, ela é bastante repreendida.

Sentiu raiva de si mesma por se sentir vulnerável quando Arin estava vulnerável

Em um passeio com sua amiga Jess, elas acabam parando em um leilão de escravos, onde Kestrel se sente tentada a fazer lances por aquele rapaz maltratado – chamado Smith, mas seu nome verdadeiro é Arin. Kestrel ganha o leilão, virando proprietária dele. Mas algo lhe incomoda, ela está confusa, não sabe por que ofertou tanto pelo escravo e todos a sua volta se perguntam a mesma coisa. Vamos descobrindo que,  um forte motivo foi porque disseram que ele canta e ela adora tudo relacionado a música. Mas isso não é justificativa para ela. As pessoas querem saber o que esse escravo tem de tão interessante.

A felicidade depende de ser livre”, o pai de Kestrel sempre dizia “e a liberdade depende de ter coragem

Levando o escravo para sua mansão, Kestrel pede que seu mordomo dê-lhe um serviço. Por ser um ferreiro competente e habilidoso, Arin passa a fazer ferraduras, armas, entre outras coisas. No dia a dia, Arin começa a mexer com Kestrel de uma maneira inexplicável. Ela não sabe porque sente a necessidade de protegê-lo, de ser sua amiga, de estar sempre com ele. Isso tudo é errado, mas ela o faz mesmo assim. Mas há algo que Kestrel não sabe: Arin é um espião dos herranis. 

Todo inimigo devia ser vigiado. Sempre identifique as vantagens e fraquezas de seu oponente.

Não posso negar que Arin me conquistou! Ele é um rapaz determinado, esperto, sagaz e muito inteligente. A história aqui vai além. Marie explorou as intrigas políticas, as brigas pelo poder, as estratégias de guerra, a cultura, a história do reino… tudo foi muito bem desenvolvido. Creio que teremos ainda mais disso nos próximos volumes. Fiquei muito dividida e sofri bastante, assim como Kestrel e Arin. Eles sabem a quem devem ser leais. Mas será que são capazes de resistir ao que estão sentindo um pelo outro? Eis a questão.

Ele quer a vingança, a liberdade para seu povo, enquanto ela quer ser livre também, mas não suporta imaginar as atrocidades que uma nova guerra poderia causar, não consegue se decidir. Não pode trair seu pai, seus amigos e seu povo. E não consegue desejar mal a Arin e aos herranis. O foco aqui, definitivamente não é o romance, então quem não curte muito, fiquem tranquilos. Mas não há como deixar de citar o quanto nosso casal é fofo junto. 

Ganhar o que você quer pode custar-lhe tudo o que você ama.

A maldição do vencedor é uma leitura fluída, fácil e envolvente do começo ao fim. Me peguei querendo descobrir cada vez mais sobre esses reinos, sobre a cultura deles. Temos algumas cenas de ação que se encaixaram perfeitamente, prontas para lhe tirar o fôlego por alguns segundos. Se você curte fantasia, se jogue nessa daqui, garanto que não irá se arrepender.

PS: desculpe o excesso de quotes haha mas amei muito a história.



A Trilogia do Vencedor é composta dos seguintes livros:

 

 


AVALIAÇÃO: 4.7/5